Querendo ver outros blogs meus consultar a Teia dos meus blogs

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

Apagou-se a chama

Admito perfeitamente que na primeira vez que se ouça, a voz de Manuel Cardoso de Menezes, não soe perfeita. Peço contudo que se entenda que no fado, o castiço e a "alma de cantar" são atributos que se sobrepõem ao perfeito.

Quantas pessoas não disseram o mesmo e reafirmam hoje que Alfredo Marceneiro não tinha voz nenhuma ?.

Deixemos isso, ouçamos Manuel Cardoso de Menezes cantar esta letra de Conde Sobral, sobre música de Filipe Pinto o tradicional Meia-noite



Soprei apagou-se a chama,
disse-te adeus em seguida
quem diz adeus a quem ama,
diz adeus a própria vida.

Foi uma zanga sem jeito
mas não tem reparação,
tu julgavas ter razão,
eu tinha-a dentro do peito.

Com o coração desfeito
mas a alma decidida
num gesto joguei a vida
num amor que te deu fama
soprei apagou-se a chama
disse-te adeus em seguida


Nunca mais soube de ti
nem o procurem saber,
não me quero arrepender
daquilo que decidi.

Mas sei bem ,quanto perdi
na hora da despedida,
sou como folha caida
sou como, fio sem chama,
quem diz adeus a quem ama
diz adeus a própria vida.




1 comentário:

Paula Val disse...

Adoro este fado e gostava de o colocar a ilustrar um texto meu. O link para o Youtube não funciona :(

Aproveito para lhe dizer... parabéns pelo trabalho. Procurava apenas este fado, mas vou continuar por aqui a cuscar com mais atenção.

Obrigada