Querendo ver outros blogs meus consultar a Teia dos meus blogs

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Moinho desmantelado

Alfredo Marceneiro enquanto interprete também faz parte da história do fado. É conhecida a sua faceta de autor mas a sua voz inconfundível, a sua presença e porque não dizê-lo as suas birras, são a nossa memória

A letra deste fado é do seu letrista predilecto Henrique Rego e a música do próprio Marceneiro.


Moinho desmantelado

Pelo tempo derruído

Tu representas a dor

Deste meu peito dorido



É grande a tua desgraça
Ao dizê-lo sinto pejo

Porque em ti apenas vejo

A miseranda carcaça

Perdeste de todo a graça

Heróica do teu passado

Hoje ao ver-te assim mudado

Minha alma cora e descrê

E quem te viu, e quem te vê

Moinho desmantelado


Moinho pombo da serra

Que triste fim tu tiveste

Alvas farinhas moeste

Para o povo da tua terra


Hoje a dor em ti se encerra

Foste votado ao olvido

Foi-se o constante gemido

Dessas mãos trabalhadoras

Doce amante das lavouras

Pelo tempo derruído



Finalizas tua vida
Em fundas melancolias
Ás tristes aves sombrias

Hoje serves de dormida


No teu seio dás guarida

Ao horrendo malfeitor

Tudo em ti causa pavor

É bem triste a tua sorte

Sombria estátua da morte

Tu representas a dor


Junto de ti eu nasci
Oh! meu saudoso moinho
E do meu terno avozinho

Quantas histórias ouvi


Agora tudo perdi

Sou pela dor evadido

Vivo no mundo esquecido

Moinho que crueldade

És o espelho da saudade

Deste meu peito dorido



video

Sem comentários: