Querendo ver outros blogs meus consultar a Teia dos meus blogs

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Perseguição

Em 1945 Amália grava o seu primeiro disco onde estava incluído este fado

Letra de Avelino de Sousa música de Carlos da Maia -fado perseguição

Se de mim nada consegues
Não sei porque me persegues
Constantemente na rua;
Saber bem que sou casada
Que fui sempre dedicada
E que não posso ser tua

Lá porque és rico e elegante
Queres que eu seja tua amante
Por capricho, ou presunção
Eu tenho um marido pobre
Que possui a alma nobre
E é toda a minha paixão

Rasguei as cartas sem ler
E nunca quis receber
Jóias ou flores que trouxesses
Não me vendo nem me dou
Pois já dei tudo o que sou
Com o amor que não conheces

Nesta gravação não sabendo porque razão Amália não canta esta última quadra, que contudo faz parte do fado, conforme cantava a Maria Alice (a criadora deste fado),mas que trocava esta sextilha pela anterior.

Como sentinela alerta
Noite e dia sempre esperta
Na posição de sentido
Eu sou, a todo o instante
Sentinela vigilante
Da honra do meu marido


3 comentários:

Miguel Ângelo Catarino Vaquinhas disse...

Por acaso, a Maria da Graça, vedeta da rádio, que conhecemos do filme "O Pátio das Cantigas", cantou as duas quadras.

helder disse...

A Amália não gravou a estrofe que resolver substituir, porque não se identificava com o seu conteúdo.

Miguel Ângelo Catarino Vaquinhas disse...

Obrigado pela informação, caro amigo. Já sabia de tal. Cumprimentos.