Querendo ver outros blogs meus consultar a Teia dos meus blogs

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

À mercê duma saudade

Sabe-se que Camané cantou pela primeira vez em público na velha Cesária em Alcântara local que eu e muita gente da minha geração  que ama o fado guarda enorme recordação e saudade. Toda a gente cantava ali, até eu me atrevi a cantar um dia um dos fados que mais gosto ainda hoje  chamado a Saudade que me dói de Vasco de Lima Couto.

Tal como eu Camané também pediu para cantar uma vez e acho que nunca mais parou, ao contrário de mim, que há muito nem sequer me atrevo a tentar, é que independentemente da voz ser boa ou não ser , não consigo cantar por manifesta incapacidade em suster a minha sensibilidade . Talvez seja uma das razões porque detesto quem canta para despachar apenas uma tarefa.

A letra  deste fado é da também fadista Aldina Duarte, uma das fadistas que eu sinto que tem a sensibilidade à flor da pele. A musica neste caso é o fado Esmeraldinha de Júlio Proença

O amor anda à mercê duma saudade 
Com ele anda sempre a ilusão 
O nosso amor não tem a mesma idade 
Mas tem a mesma lei no coração 

Sabemos qual a ânsia da chegada 
E nunca recordamos a partida 
Trazemos na memória renegada 
A dor de uma distância sem saída 

Existem entre nós sonhos calados 
Que a vida não permite acontecer 
Por vezes sigo os teus olhos parados 
E sinto que é por ti que vou viver 

Recuso lamentar a minha entrega 
Teus braços são a minha liberdade 
O amor é fantasia que nos cega 
É força que transforma a realidade


video

Sem comentários: