Querendo ver outros blogs meus consultar a Teia dos meus blogs

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Súplica

Um dos meus fados favoritos, incluído no seu album Do amor e dos dias, este fado é de autoria de Frederico de Brito com música de Ferrer Trindade

Já quantas vezes
Te pedi que me esquecesses
Ou que ao menos não viesses
Não voltasses mais aqui
Pois tu não vês
Que o mau viver que tu me dês
Só pode ser por malvadez
E eu não espero mais de ti

Já quantas vezes
Te implorei por caridade
Que encobrisses a maldade
Que há-de ir sempre onde tu vais
Eu poderei não ser melhor
Fugir à lei do que amor
Sofrer bem sei
Mas prender-me nunca mais

Ainda agora
Eu bem sei que tu não gostas
Vou pedir-te de mãos postas
Que me dês o que era meu
Vagas paixões, meus tristes ais
Mil tentações e pouco mais
Do que ilusões
Que o amor…esse morreu



video

3 comentários:

Rui Ferrer Trindade disse...

Adorei saber que existe ainda pessoas que homenageiam Grandes Homens, sendo um deles o Génio, Pai e Homem, que sempre se rodeou por outros Génios da Musica Portuguesa, o Maestro, Compositor e Autor Musical Francisco Ferrer Trindade, do qual sou filho e me orgulho de o ser e de granjear a homenagem feita ao Fado, bem haja.
Com amizade e estima
O filho
Rui Ferrer Trindade
Escritor/Artista Plástico/Poeta/Musico/Dramaturgo/
Actor/Terapeuta de Psicologia

Rui Ferrer Trindade disse...

Mais uma vez obrigado por fazer lembrar homens como o meu pai, que em Janeiro de 2014 fará 15 anos do seu desaparecimento e que recordo com grande saudade, mas que ode estiver estará a olhar para o filho que o lembra.
Bem haja

Rui Ferrer Trindade

Luís Maia disse...

só agora reparei no seu comentário e deixe-me dizer que o nome do seu pai será sempre um nome que ficará na história do fado e todos nomes que amam o nosso fado o recordarão sempre.

Por acaso lembro-me de ouvir o meu pai dizer que era amigo do seu, mas não sei dar mais detalhes dessa amizade

Um abraço amigo